Supermercado promove dia sem sacola plástica

Campanha tem como objetivo reduzir impacto ambiental e criar consciência nas pessoas

O grupo Superpão está promovendo uma ação socioambiental. Neste sábado, 16 de março, é o Dia sem Sacola Plástica. O objetivo é que os clientes levem sacolas retornáveis ou usem caixas de papelão para levar as compras pra casa.

De acordo com o gerente Alessandro Tomaz da Rosa, a iniciativa surgiu na loja matriz em Guarapuava (PR) e em Caçador acontece pela segunda vez.

“A sacola plástica se torna um problema quando descartada no meio ambiente. E se cada um fizer sua parte estamos ajudando, nem que seja um pouco, a reduzir esse impacto”, diz.

Ainda segundo o gerente, a ideia é realizar a ação mais vezes durante o ano. “A campanha está longe de resolver o problema como um todo, mas é um gesto simples que vai ajudar na consciência de preservação ambiental”.

Os clientes que não aderirem à campanha poderão solicitar a sacola plástica ao atendente de caixa.

Sacos plásticos e problemas ambientais

Os sacos de plástico não são formas de transporte inócuas para o ambiente por dois motivos essenciais: o elevado número de sacos produzidos por ano (cerca de 150 por pessoa por ano) e a natureza não biodegradável do plástico com que são produzidos. Além disso, a manufactura do polietileno faz-se a partir de combustíveis fósseis e acarreta a emissão de gases poluentes.

Calcula-se que cerca de 90% dos sacos de plástico acabam a sua vida em lixeiras, ou como resíduos ou como contentores de desperdícios. Na verdade estes objetos ocupam apenas cerca de 0,3% do volume acumulado nas lixeiras. Mesmo assim, dada a sua extrema leveza, se não forem bem acondicionados os sacos de plástico têm a tendência de voar e espalhar-se pelo meio ambiente. Esta situação pode provocar outros tipos de poluição.

Quase todos os sacos de plástico não acondicionados em lixeiras acabam, mais cedo ou mais tarde, por chegar aos rios e aos oceanos. Os ambientalistas chamam a atenção para este problema e citam o fato de milhares de baleias, golfinhos, tartarugas-marinhas e aves marinhas morrerem asfixiadas por sacos de plástico. O caso ocorreu em 2002, quando uma baleia anã deu à costa da Normandia com cerca de 800 kg de sacos de plástico encravados no estômago.

Fonte: Jornalismo Rádio Caçanjurê
Foto: Jornalismo Rádio Caçanjurê