Rádios RBV

Menu

Câncer hematológico: conheça os diferentes tipos da doença

Cansaço e sono excessivo podem indicar que há algo errado com o organismo; Hematologista tira dúvidas sobre o câncer hematológico.

Fonte:
Moglia Comunicação/Oncoclínicas SC

O diagnóstico precoce é fundamental para uma boa evolução no tratamento dos diferentes tipos de câncer hematológico. E os especialistas alertam: Cansaço, fraqueza, dores inexplicadas, sono excessivo, desmaio, palpitações, infecções recorrentes ou de difícil tratamento, sangramentos espontâneos ou de difícil controle, nódulos (‘ínguas’), perda de peso inexplicada, febre ou suores, entre outros sinais, devem ser avaliados por um médico.    

No entanto, são poucos os fatores de risco esclarecidos para o câncer hematológico. “E ainda, ter o fator de risco não significa que você terá o câncer. O surgimento do câncer vem por mutações genéticas, na maioria das vezes adquiridas, que nem sempre estão relacionadas a fatores de risco. Porém, sabe-se que exposição a produtos químicos, agrotóxicos, benzeno, formol, cigarro, radiação, quimioterapia prévia e algumas doenças hereditárias, podem ser considerados como fatores de risco”, afirma a hematologista Tatiana Dias Marconi Monteiro, da Oncoclínicas Grande Florianópolis.

Diagnóstico

A biópsia da medula óssea é o procedimento para o diagnóstico da maior parte das leucemias e mielodisplasia. No entanto, existe um tipo de leucemia que pode ser diagnosticada por um simples exame coletado do sangue. Já para os linfomas, o diagnóstico é firmado através da biópsia do órgão do sistema linfático acometido.

- Publicidade -

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o número estimado de casos novos de leucemia para o Brasil, de 2023 a 2025, é de 11.540, o que corresponde a um risco estimado de 5,33 por 100 mil habitantes. Contudo, a leucemia ocupa a décima posição entre os tipos de câncer mais frequentes, excluindo lesões de pele não melanomas.

 Assim, confira algumas informações sobre os diferentes tipos de câncer hematológico:    

– Qual a diferença entre linfoma, leucemia e neoplasia mielodisplásica?

Linfoma, leucemia e neoplasia mielodisplásica são tipos diferentes de cânceres do sangue. Em suma, nosso sangue é produzido na medula óssea, que está localizada dentro dos ossos e funciona como uma “fábrica do sangue”. Dessa forma, algumas das células do sangue já saem da ”fábrica” prontas para circular pelo corpo e exercer a sua função. Entretanto, outras precisam passar pelos gânglios linfáticos para amadurecer e depois exercerem a sua função. Porém, podemos ter problemas em algumas das fases de produção destas células. Assim, dependendo da fase e do tipo de célula que se torna defeituosa, teremos os diferentes tipos de câncer: Síndrome mielodisplásica, linfoma ou leucemia.

– Quais as principais semelhanças entre elas?

A ”célula mãe” que origina todos os tipos de células do sangue (normal ou defeituosa) está localizada na medula óssea. Apesar de tudo ter origem na mesma célula, o que irá determinar qual o tipo de câncer é a fase em que a célula se torna defeituosa.

– O câncer hematológico é contagioso?

Não. As mutações genéticas que geram a alteração da célula são próprias de cada paciente, não sendo transmissíveis.

– É hereditário?

Esses tipos de cânceres surgem a partir de mutações genéticas nas células do sangue. Nós podemos herdar fatores de risco, hábitos e gatilhos ambientais que estejam relacionados ao aparecimento de alguma mutação genética. Mas a maioria dos tipos de câncer resultam de mutações genéticas adquiridas.

– A mielodisplasia pode virar leucemia?

É importante ressaltar que ”mielodisplasia” é uma ”fábrica do sangue desorganizada”, impactando na produção normal do sangue. Então, quando temos essa ”desorganização” decorrente de mutação oncogenética das células progenitoras do sangue, gerando células defeituosas e desorganizadas com produção ineficaz, temos a neoplasia mielodisplásica. Por muitos anos, ela foi conhecida como uma doença pré-maligna, ou seja, que em determinado momento, se tornaria um câncer. Hoje já se sabe, pelas características iniciais desta doença, que a neoplasia mielodisplásica já é um câncer. Contudo, pode se manifestar de diversas formas, algumas mais indolentes com evolução lenta e outras mais agressivas se “transformando” rapidamente em leucemia.

– Quais os equívocos mais comuns sobre essas doenças?

Um dos principais equívocos é procurar um culpado! A desordem na produção das células pode acontecer da noite para o dia. É comum as pessoas se culparem e associarem o câncer a estresse, alimentação, personalidade ou falta de espiritualidade. Não existe comprovação científica que ser ”bonzinho” ou ”malvado” terá relação com o surgimento do câncer. Quebrando esse tabu, são raros e isolados os fatores de risco que podem contribuir para esses cânceres. Porém, vale ressaltar que a boa prática de exercício, alimentação balanceada, ausência de cigarro e herbicidas, equilíbrio emocional e religiosidade são fatores importantes para um estilo de vida saudável, independente do câncer. 

Outro equívoco importante é a demora em procurar pelo especialista para realizar o diagnóstico e tratamento o mais breve possível. Muitas vezes isso dá por desinformação ou medo. Mas é importante ressaltar que, quanto antes se inicie o tratamento, independente do câncer hematológico, melhor será a evolução.

– Existem novas terapias para essas doenças?

Sim! Cada vez mais têm avançado as pesquisas em cada uma destas doenças com surgimento de medicações com menos efeitos colaterais, maior facilidade de administração e maior eficácia. Da mesma forma, há hoje novas tecnologias como o CAR-T Cell que propiciam índices de cura bastante otimistas.

– Os tratamentos são diferentes para cada tipo?

Sim. A partir do diagnóstico e do entendimento do tipo de câncer, estabelecemos em conjunto o planejamento para tratar o caso. Todavia, cada doença e cada paciente tem sua particularidade e deve ser visto e avaliado de forma individualizada. Existem diversas características que impactam no tratamento. Um câncer do sangue merece atendimento em equipe, seja agudo, crônico, indolente, agressivo, alto risco ou baixo risco. O importante é saber que o paciente não está sozinho e que esses cânceres podem ser tratados. Tirar as dúvidas com o seu médico hematologista é o primeiro passo para uma caminhada consciente.

Sobre a Oncoclínicas SC

Em Santa Catarina, o Grupo Oncoclínicas e a Unimed Grande Florianópolis (UGF) atuam em parceria através de um centro voltado ao tratamento integrado do câncer. Localizada no Centro da Capital, a estrutura de 700 m² oferece atendimento clínico e ambulatorial em oncologia, hematologia, oncogenética, psicologia, nutrição e cuidados continuados. O espaço reúne cinco consultórios clínicos multidisciplinares, sala de emergência, farmácia e enfermagem clínica. Além disso tem salas individuais de infusão, tendo capacidade de realizar mais de 800 atendimentos por mês.

Sobre o Grupo Oncoclínicas

A Oncoclínicas – maior grupo dedicado ao tratamento do câncer na América Latina – tem um modelo especializado e inovador focado em toda a jornada do tratamento oncológico. Alia eficiência operacional, atendimento humanizado e especialização, por meio de um corpo clínico composto por mais de 2.600 médicos especialistas com ênfase em oncologia. Assim, com a missão de democratizar o tratamento oncológico no país, oferece um sistema completo de atuação composto por clínicas ambulatoriais integradas a cancer centers de alta complexidade. Atualmente possui 133 unidades em 35 cidades brasileiras. Isso permite acesso ao tratamento oncológico em todas as regiões que atua, com padrão de qualidade dos melhores centros de referência mundiais no tratamento do câncer.

Com tecnologia, medicina de precisão e genômica, a Oncoclínicas traz resultados efetivos no acesso ao tratamento oncológico. Foram realizados mais de 500 mil procedimentos no último ano (2022). É parceira exclusiva na América Latina do Dana-Farber Cancer Institute, afiliado à Faculdade de Medicina de Harvard, um dos mais reconhecidos centros de pesquisa e tratamento de câncer no mundo. Possui a Boston Lighthouse Innovation, empresa especializada em bioinformática, sediada em Cambridge, Estados Unidos, e participação societária na MEDSIR, empresa espanhola dedicada ao desenvolvimento e gestão de ensaios clínicos para pesquisas independentes sobre o câncer. A companhia também desenvolve projetos em colaboração com o Weizmann Institute of Science, em Israel, uma das mais prestigiadas instituições multidisciplinares de ciência e de pesquisa do mundo, tendo Bruno Ferrari, fundador e CEO da Oncoclínicas, como membro de seu board internacional.

Participe do grupo no Whatsapp do Portal RBV e receba as principais notícias da nossa região.

*Ao entrar você está ciente e de acordo com todos os termos de uso e privacidade do WhatsApp

Últimas Notícias

Senado deve votar hoje taxa de 20% para compra até US$ 50

O Senado deve votar hoje (29) taxa de 20%...

Luciane Carminatti detalha investimentos na cultura catarinense

Luciane Carminatti detalha investimentos na cultura catarinense, projetados pela...

CPI rejeita relatório que investiga desvio de funções no Executivo

Por 3 votos a 2, os membros da Comissão...

Pessoas físicas doam R$ 35 mi do Imposto de Renda para o RS

Pessoas físicas doam R$ 35 mi do Imposto de...

QR Code ajuda a divulgar história de pessoas em cemitério

Os cemitérios de Caçador poderão ter QR Codes implantados...

Mais Lidas da semana

Casal de Videira e crianças desaparecidas são encontrados mortos

O casal Icildo Gean da Silva e Ana Paula...

Casal e duas crianças estão desaparecidos em Videira

Um casal e duas crianças estão desaparecidos em Videira...

Xadrez videirense brilha na 3ª Etapa do Circuito Scherer

O xadrez videirense brilha na 3ª Etapa do Circuito...

Previsão do Tempo: Santa Catarina com tempo seco e frio intenso

A previsão do tempo para Santa Catarina nesta quarta-feira...

Vítimas de tragédia serão sepultadas em Fraiburgo

Três das quatro vítimas que morreram em um acidente...

Outros Tópicos Interessantes