Rádios RBV

Menu

Chuvas paralisaram ao menos dez frigoríficos no RS

Maior parte das unidades realiza abate de aves e suínos e ficaram isoladas pela destruição de pontes e estradas do Estado

Fonte:
Globo Rural

Chuvas paralisaram ao menos dez frigoríficos no RS. Abates foram totalmente paralisados e outras unidades cancelaram os trabalhos em função das fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul, segundo relatos feitos pelas empresas ao Ministério da Agricultura.

PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA NOTÍCIAS

Diante da situação de calamidade, auditores fiscais federais agropecuários que atuam no Estado decidiram suspender a mobilização por reestruturação da carreira que afetava o ritmo dos trabalhos e vão concentrar esforços para evitar maiores transtornos ao setor agropecuário local.

- Publicidade -

Os abates foram cancelados em nove municípios prejudicados pelo clima hostil no Estado. As unidades que paralisaram totalmente as atividades foram: Cooperativa Dália Alimentos (Arroio do Meio), JBS (Caxias do Sul), Carrer Alimentos (Farroupilha), BRF aves (Lajeado), BRF suínos (Lajeado), Companhia Minuano de Alimentos (Lajeado), Frigorífico Floresta (São Gabriel), Agrosul Agroavícola Industrial (São Sebastião do Caí), Frigovale (Teutônia) e Cooperativa Languiru (Westfália). O Frigorífico Nicolini, de Garibaldi, na serra gaúcha, interrompeu os trabalhos no primeiro turno.

A maior parte das unidades realiza abate de aves e suínos. Em nota, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) disse que “acompanha com preocupação e consternação a situação de calamidade e os levantamentos logísticos e extensão de prejuízos ocorridos no Rio Grande do Sul”. 

A entidade acrescentou que, com base em relatos das entidades locais, há informações iniciais de “impactos em determinados núcleos de produção, ainda não quantificados”.

Veja também

Barragem 14 de julho rompe e deixa cidades gaúchas em alerta

Rio Grande do Sul vive a pior tragédia climática da sua história

De acordo com o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (ACSURS), Valdecir Luis Folador, o principal problema enfrentado pelas indústrias se deve ao impacto logístico provocado pelas chuvas, com destruição de pontes e interdição de estradas, impedindo a retirada de animais e entrega de ração e outros insumos necessários para a produção.

“A princípio o que tenho conhecimento nenhuma granja foi afetada pela enchente ou destruída, mas é mais a questão logística que está afetando. Amanhã, se o tempo começar a colaborar, parar as chuvas e os rios começarem a baixar, aos poucos as coisas começam a voltar ao normal”, observa Folador.

Ainda de acordo com o presidente da ACSRS, a dimensão dos estragos provocados é “imensa”. “A severidade de estrago que aconteceu nessas infraestruturas de trânsito é imensa. Serão muitos dias, semanas, meses e em alguns casos anos para conseguir resolver. É uma catástrofe jamais vista nessa proporção. O que aconteceu em setembro do ano passado na região do Vale do Taquari não passa nem perto do que está acontecendo hoje”, compara o produtor.

Dias difíceis

O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, afirmou que o Estado vai passar por “dias difíceis” mesmo após a normalização do clima na região e agradeceu aos servidores da Pasta que suspenderam a “operação padrão” neste momento.

“Eles tiveram a sensibilidade. O Estado do Rio Grande do Sul vai passar por dias difíceis, mesmo depois dessas enchentes baixarem. Precisamos de deslocamento de animais, precisamos de abates intensificados para voltar as escalas aos ritmos normais nesses 10 ou 11 frigoríficos que estão submersos”, disse a jornalistas nesta quinta-feira.

“Tem 10 frigoríficos que foram atingidos pelas enchentes. Vai ter que ter abate, vão ter municípios com dificuldades de acesso para alimentação animal”, completou o vice-presidente da República, Geraldo Alckmin.

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) afirmou, em nota, que os servidores “decidiram suspender a mobilização no Rio Grande do Sul em razão da situação, de forma a não deixar cargas paradas, caminhoneiros nas estradas, e para liberar o máximo possível de importações de alimentos”, por exemplo.

Os auditores avaliam, inclusive, a possibilidade de realizar uma força-tarefa no Estado para não deixar nenhuma demanda represada, concluiu a entidade.

Portal RBV nas redes sociais

YouTube

Facebook

Instagram

TikTok

Participe do grupo no Whatsapp do Portal RBV e receba as principais notícias da nossa região.

*Ao entrar você está ciente e de acordo com todos os termos de uso e privacidade do WhatsApp

Últimas Notícias

Caminhão de Caçador se envolve em grave acidente

Por volta das 6h50 desta terça-feira (11) o serviço...

Gás de cozinha e combustíveis mantém preços em Caçador e Fraiburgo

Em pesquisa contínua realizada pela Universidade Alto Vale do...

Caçador, Catanduvas e Concórdia garantem prêmios na Lotofácil

Apostas catarinenses chegaram perto de conquistar o prêmio acumulado...

Concerto Anual de Bandas encanta público e lota o CEVI

O Concerto Anual de Bandas encantou público e lotou...

Caçador Futmesa participa do Campeonato Brasileiro 2024

O Caçador Futmesa participou no final do mês de...

Mais Lidas da semana

Divisa entre Paraná e Santa Catarina é redefinida

Após uma série de estudos, técnicos da Diretoria de...

Morador de Videira que estava desaparecido é localizado

O jovem de 27 anos, morador de Videira, que...

Identificadas vítimas que morreram esmagadas por contêiner

Foram identificadas as duas vítimas fatais do acidente de...

Acidente na SC 135, em Pinheiro Preto, deixa vítimas

Na manhã desta sexta-feira (07), por volta das 08h00,...

Duas pessoas morrem após contêiner tombar em cima de carro

Um homem e uma mulher morreram em um acidente...

Outros Tópicos Interessantes