Preso casal suspeito de cometer homicídio contra caçadorense em Piratuba

A Polícia Civil de Capinzal e Piratuba cumpriu, na tarde da quarta-feira, dia 3, mandados de prisão preventiva contra o casal que praticou o homicídio de Alexandre José Souza de Oliveira, 33 anos. O crime foi cometido no dia 5 de julho na cidade de Piratuba e o corpo foi localizado jogado (ocultado) às margens da estrada que dá acesso à Linha Santana, interior de Ipira.

A prisão preventiva foi decretada pelo Poder Judiciário da Comarca de Capinzal, que acolheu os argumentos apresentados pelo Delegado de Polícia de Capinzal e pelo Ministério Público da Comarca.

As investigações continuam para esclarecer a verdade mais aproximada dos fatos e não somente na versão apresentada pelos investigados. Os suspeitos foram encaminhados ao Presídio Regional de Joaçaba, onde se encontram à disposição da Justiça e devem responder por crime de homicídio, ocultação de cadáver e fraude processual.

O crime

O delegado Gilmar Bonamigo se manifestou sobre a morte de um homem que teve o corpo localizado em Ipira, às margens da SC-390. Foram mais de 40 golpes de faca, de acordo com o policial. A autora se apresentou na quarta-feira e confessou o fato. O ex-marido ajudou a ocultar o corpo. Ambos estão em liberdade até o momento.

O delegado confirmou que a possível autora teria relatado a uma advogada os fatos e indicou onde o corpo estava. Em buscas a Polícia Civil localizou Alexandre José Souza de Oliveira, 33 anos. O corpo estava envolto em lonas e cobertores. O crime teria ocorrido em um apartamento, no centro de Piratuba.

O laudo da Polícia Científica ainda não foi concluído, mas foi confirmado extraoficialmente que a vítima sofreu um golpe de faca no pescoço, atingindo a artéria e levando a vítima a óbito. Durante as últimas horas, as polícias Civil e Científica estiveram no apartamento fazendo levantamentos.

Durante o depoimento, a mulher confessou também que o ex-marido, pai do filho dela de 6 anos, não participou do homicídio, mas ajudou a ocultar o corpo, que foi colocado no banheiro para evitar que a criança visse. Ele se apresentou nesta quinta-feira para dar depoimento.

O crime aconteceu no dia 6 e somente no outro dia o cadáver foi levado e desovado no local. O crime, segundo a autora, teria sido em função de sofrimento psicológico e cárcere privado que ela vivia com o homem, além de ameaças de morte.

Foto: Polícia Civil de Santa Catarina

Fonte: Com informações da Atual FM

Compartilhe

Últimas Notícias