Santa Catarina tem primeiro caso de reinfecção por coronavírus

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) confirmou nesta terça-feira (06) o primeiro caso de reinfecção por coronavírus em Santa Catarina. O paciente é um morador de Lages, na Serra, de 30 anos, sem histórico de viagem. Primeiramente, ele teve a versão mais comum do vírus e, depois, a variante brasileira, identificada originalmente em Manaus.

O caso de reinfecção foi confirmado laboratorialmente em 31 de março pela Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro, laboratório de referência para Santa Catarina para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).

O paciente foi infectado pela primeira vez em setembro de 2020 com a linhagem B.1.1.28, considerada pela Dive como mais comum. Depois, foi contaminado com a variante brasileira em fevereiro deste ano.

Conforme a Dive, quando foi infectado pela primeira vez, o paciente não teve sintomas. Da segunda, teve sintomas leves.

É considerado caso suspeito de reinfecção o indivíduo com dois resultados positivos por meio da técnica PCR. O paciente precisa ter um intervalo igual ou maior do que 90 dias entre os dois episódios de infecção.

De acordo com a Dive, todos os procedimentos adotados seguiram o protocolo estabelecido pelo Ministério da Saúde.

Em Santa Catarina, foram notificados 35 casos de reinfecção, sendo 21 descartados, 1 confirmado e 13 aguardando resultado.

O diretor da Dive reforçou a importância dos cuidados de prevenção à Covid-19. “O uso de máscaras, higienização frequente das mãos com água e sabão ou álcool gel 70% e distanciamento social são medidas eficazes para nossa proteção”, afirmou.

 

 

 

Variantes

 

De acordo com o mais recentes boletim da Dive sobre o assunto, publicado em 19 de março, Santa Catarina tem 157 casos confirmados de variantes do coronavírus. Desse total, 109 são da variante brasileira e 48, da britânica.

 

Fonte: G1