SC investiga dois casos de varíola dos macacos e OMS descarta emergência de saúde global

Até o momento, 20 casos foram confirmados no Brasil; diretor-geral da OMS afirmou que a doença é uma ameaça à saúde muito preocupante, mas não de escala global

Santa Catarina tem dois casos de varíola dos macacos (Monkeypox) em investigação, segundo informe do Ministério da Saúde atualizado na tarde deste domingo (26).

Até o momento, 80 casos foram notificados no Brasil em 16 Estados. O informe detalha que em Santa Catarina foram notificados quatro casos, sendo que dois deles foram descartados e dois são considerados suspeitos.

O país tem 20 casos confirmados, sendo 14 em São Paulo, quatro no Rio de Janeiro e dois no Rio Grande do Sul. Permanecem suspeitos 14 casos e 46 foram descartados.

O Ministério da Saúde diz que os pacientes seguem em recuperação, sendo monitorados pelas equipes de vigilância em saúde. Em Santa Catarina, trata-se de um homem e uma mulher. A pasta, no entanto, não deu detalhes sobre a idade e as cidades dos pacientes.

Segundo o órgão, “a investigação dos casos suspeitos está em andamento, e as coletas para análise laboratorial já foram realizadas. Os resultados são aguardados.”

A SES (Secretaria de Estado da Saúde) ainda não se pronunciou sobre os casos em investigação atualmente.

Dois casos suspeitos da varíola dos macacos em Santa Catarina foram descartados pela SES no dia 13 de junho. Tratavam-se de uma mulher de 27 anos, moradora de Dionísio Cerqueira, no Oeste catarinense, e um homem de 28 anos de Blumenau, no Vale do Itajaí.

No dia 23 de maio, o Ministério da Saúde anunciou a criação de uma sala de situação para monitorar o cenário da varíola dos macacos – vírus Monkeypox – no Brasil.

OMS descarta emergência de saúde global

O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse neste sábado (25) que o surto de varíola do macaco é uma ameaça à saúde muito preocupante, mas no momento não é uma emergência global de saúde pública.

“No momento, a situação não constitui uma emergência de saúde pública de interesse internacional, que é o nível mais alto de alerta que a OMS pode emitir”, afirmou Ghebreyesus em comunicado após uma reunião de especialistas para discutir o assunto.

“O comitê de emergência compartilhou suas sérias preocupações sobre a escala e a velocidade do atual surto”, acrescentou Ghebreyesus.

Os casos desta doença aumentaram desde maio para além dos países onde era endêmica na África Ocidental e Central e estão especialmente concentrados na Europa Ocidental.

Casos pelo mundo

Até este domingo, foram confirmados 4.120 casos da varíola dos macacos distribuídos em 48 países, conforme o Ministério da Saúde. Os casos confirmados estão distribuídos principalmente na Europa, que concentra a maior quantidade de notificações.

A OMS ressalta que as autoridades sanitárias devem estar em alerta para o aparecimento de pacientes que apresentem os sintomas clínicos. Ainda de acordo com a OMS, os casos suspeitos devem ser imediatamente isolados e notificados às autoridades para que ações de saúde pública possam ser implementadas.

Os sintomas da doença incluem febre, dor de cabeça, linfonodos inchados, dores musculares e falta de energia.

As erupções aparecem então no rosto, nas palmas das mãos e nas solas dos pés; lesões, pústulas e, finalmente, crostas. Geralmente a doença é curada em cerca de três semanas.

Fonte: Jornalismo Rádio Videira/ND+
Foto: Divulgação