Rádios RBV

Menu

Ex-prefeito e servidores são condenados por fraudar licitação

De acordo com as informações o grupo fraudou um processo licitatório que tinha por objetivo a contratação de empresa para coleta e avaliação da qualidade da água distribuída à população

Fonte:
Caco da Rosa - TJSC

Um ex-prefeito, outros três servidores de município do Meio Oeste, além de um laboratório, foram condenados por improbidade administrativa em decisão da 2ª Vara da comarca de Fraiburgo. O grupo fraudou processo licitatório que tinha por objetivo a contratação de empresa para coleta e avaliação da qualidade da água distribuída à população de pouco menos de 10 mil habitantes. O ato causou enriquecimento ilícito ao laboratório e dano de mais de R$ 50 mil aos cofres da Prefeitura.

Os fatos ocorreram entre dezembro de 2013 e fevereiro de 2014, quando houve o direcionamento da licitação para o laboratório réu, o qual pertencia à responsável pelo departamento municipal de água e esgoto. A licitação foi autorizada pelo prefeito, que, mesmo ciente das irregularidades da empresa ré e sua representante, homologou o processo licitatório.

O pregoeiro, responsável pelo julgamento das propostas, por sua vez, desclassificou outra empresa concorrente mesmo ciente que ela atendia aos requisitos do edital e que, inclusive, apresentou a melhor proposta. Esta empresa recorreu. Neste ponto, segundo consta nos autos, a arquitetura do direcionamento contou com relevante contribuição também do procurador do município.  Ao emitir parecer jurídico sobre o recurso da empresa desclassificada, o procurador fundamentou de maneira evasiva e ignorou as ilegalidades apontadas.

- Publicidade -

Todos os réus foram condenados, solidariamente, ao pagamento de R$ 52,2 mil, a título de ressarcimento ao erário. Ao valor devem ser acrescidos juros e correção monetária. Este também é o valor que devem pagar como multa civil. As pessoas físicas tiveram suspensos os direitos políticos por quatro anos.

Os que ainda tiverem vínculo também foram condenados à perda da função pública. O grupo de réus fica proibido de contratar com poder público ou dele receber benefícios, ou incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de quatro anos. A decisão ainda é passível de recurso junto ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

Participe do grupo no Whatsapp do Portal RBV e receba as principais notícias da nossa região.

*Ao entrar você está ciente e de acordo com todos os termos de uso e privacidade do WhatsApp

Últimas Notícias

Entrada de Menores na ExpoVideira 2024

A contagem regressiva para a ExpoVideira 2024 está chegando...

Bombeiros Voluntários se aprimoram no uso de novo equipamento

Na quarta-feira (21) o Núcleo de Ensino e Instrução...

ACIAV realiza Capacitação Avançada em Gestão de Negócios

Como objetivo proporcionar conhecimento a líderes e empreendedores, ACIAV...

Descarte correto do lixo gera manifestações dos Vereadores e Vereadoras de Ibiam

Invocando a proteção de Deus, assim o Presidente Cleber...

Inscrições abertas para o projeto “Biblioterapia para Idosos” em Caçador

Estão abertas as inscrições para o projeto "Biblioterapia para...

Mais Lidas da semana

Homem é morto a tiros em Caçador

Um homem foi morto a tiros na manhã desta...

Acidente envolve três veículos em Caçador

O Corpo de Bombeiros Voluntários de Caçador foi acionado...

Carreta tomba e interdita parcialmente rodovia SC-135 em Videira

Na manhã desta quinta-feira (15), por volta das 10...

Homem esconde corpo de amigo por oito dias em Curitibanos

Uma noite de bebedeira entre amigos resultou em uma...

Polícia Civil de Caçador deflagra a Operação Conexão

Na manhã desta quinta-feira (15) a Polícia Civil por...

Outros Tópicos Interessantes