Rádios RBV

Menu

Liberação de agrotóxicos cai no Brasil em 2023

Dos 35 pesticidas inéditos, 24 foram liberados para o uso dos agricultores, enquanto 11 são voltados para as fabricantes de agrotóxicos.

Fonte:
G1

O número de liberações de agrotóxicos no Brasil caiu em 2023, depois de sete anos seguidos de alta, apontam dados da Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins (CGAA), do Ministério da Agricultura, atualizados na última terça-feira (9).

Em seu primeiro ano, o governo Lula aprovou 555 produtos, uma queda de 15% em relação a 2022, quando o Brasil liberou 652 agrotóxicos, um recorde da série histórica, iniciada há 24 anos.

Apesar da redução, a quantidade de aprovações em 2023 foi a 3ª maior da série.

- Publicidade -

Seguindo a tendência dos últimos anos, a maioria dos pesticidas aprovados são genéricos (520), ou seja, “cópias” de princípios ativos inéditos — que podem ser feitas quando caem as patentes — ou produtos finais baseados em ingredientes já existentes no mercado. Os outros 35 produtos são inéditos.

A partir deste ano, a aprovação dos agrotóxicos deve ficar mais rápida. Isso porque o presidente Lula sancionou, no final de 2023, a nova lei que acelera o tempo de análise para a liberação dos produtos.

Veja também

Produção de uva cai 50% em Caçador devido as chuvas

Milhos VPA da Epagri ganham espaço nas lavouras brasileiras 

Os números do Ministério da Agricultura mostram também que:

  • 365 agrotóxicos foram liberados para os agricultores – são os chamados “produtos formulados”. Os outros 190 foram para uso na indústria – estes são conhecidos como “produtos técnicos”, matérias-primas utilizadas na fabricação dos pesticidas.
  • do total, 465 são produtos químicos, enquanto 90 são biológicos (hormônios, insetos, vírus), que têm baixo impacto ambiental e são voltados para a agricultura orgânica – pela nova legislação brasileira, eles também são chamados de agrotóxicos.

Produtos inéditos

Dos 35 pesticidas inéditos, 24 foram liberados para o uso dos agricultores, enquanto 11 são voltados para as fabricantes de agrotóxicos.

Entre os que podem ir direto para o campo, destaca-se o Resuris, à base de Fluindapir e Clorotalonil, que foi considerado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como altamente tóxico para a saúde humana.

O Resuris é um fungicida usado nas plantações de milho, soja e amendoim.

Já a classificação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) identificou um agrotóxico “altamente perigoso” e mais 14 “muito perigosos” para o meio ambiente.

A liberação dos produtos é uma decisão dos três órgãos: Anvisa, Ibama e Ministério da Agricultura.

fafaa

Participe do grupo no Whatsapp do Portal RBV e receba as principais notícias da nossa região.

*Ao entrar você está ciente e de acordo com todos os termos de uso e privacidade do WhatsApp

Últimas Notícias

Moticiclista fica gravemente ferido ao colidir em caminhão

Um moticiclista ficou gravemente ferido ao colidir na traseira...

Aposta do Meio-Oeste acerta quina da Mega-Sena e leva R$ 81 mil

Uma única aposta feita no Rio de Janeiro ganhou...

Acidente com morte envolve carro da Saúde de Fraiburgo

Um veículo da Secretaria de Saúde do município de...

Avaí/Kindermann é superado em casa pelo Santos

O Avaí/Kindermann novamente foi superado no Campeonato Brasileiro de...

Morre Ornilda Busato Cidadã Honorária de Caçador

Faleceu neste sábado (20), aos 89 anos, a Cidadã...

Mais Lidas da semana

Tentativa de homicídio é registrada em Videira

Uma tentativa de homicídio é registrada em Videira, na...

Homem morre atingido por eucalipto em Tangará

Homem morre atingido por eucalipto em Tangará. O fato...

Mais uma tentativa de feminicídio é registrada em Videira

Mais uma tentativa de feminicídio é registrada em Videira...

Veículo sai da pista e invade varanda de residência em Caçador

Na noite de terça-feira (16) pouco depois das 19h...

Motorista ultrapassa viatura da PRF e tem veículo guinchado

Motorista ultrapassa viatura da PRF e tem veículo guinchado,...

Outros Tópicos Interessantes